Niterói

Arquivos do Autor: facebook_Eugenio Fernandez de Andrade.1156606821063636

Sejamos “construtores de um mundo novo”, diz Dom José

Na Santa Celebração do 15º Domingo Comum, como vem acontecendo todos os domingos, o Arcebispo Metropolitano de Niterói, Dom José Francisco, rezou pelas intenções que todos trazem no coração. Antes da Santa Missa, o diácono Nélio do Amparo, na transmissão pela Rádio e Rede Sociais apresentou as seguintes intenções: “Nas intenções do Papa Francisco; para que sejamos semeadores do amor e da justiça que Jesus nos ensinou; por todos os falecidos pelo coronavírus e pelas famílias enlutadas; pelos infectados pelo coronavírus; pelos profissionais da saúde, pesquisadores e trabalhadores nos serviços essenciais; pelos pobres e por aqueles que buscam aliviar seu sofrimento; pelas autoridades, para que governem com justiça; pela saúde de Alexandre, Guilherme, Hugo, João e pela comunidade Nossa Senhora da Rosa Mística. O metropolita celebrou a primeira Missa, com transmissão online, e presença de público reduzido, na Capela Nossa Senhora da Rosa Mística, no Município de São Gonçalo. No início da homilia, disse o Arcebispo de Niterói: “…vivendo esse tempo de pandemia, de distanciamento social, iniciamos neste mês a reabertura gradual das nossas igrejas, e hoje, com essa participação limitada, mas querendo, desta forma, por questão de segurança, de defesa da vida, queremos também respeitar as orientações, procurando, deste modo, louvar e bendizer ao Senhor”. Em um outro trecho da homilia, Dom José Francisco convida os fiéis a refletirem sobre cuidar do bem comum: “…os sofrimentos do tempo presente nem merecem ser comparados à glória futura, que vai ser revelada, e diante de toda essa crise, que podemos dizer, global, com essa pandemia, quando fomos forçados a parar, a ficar dentro de casa, a reaprender a conviver em família, a ficar isolados, por uma questão de segurança e de defesa da vida, muitos chegam até a afirmar que essa pandemia é um castigo de Deus para a humanidade. Não podemos dizer isso, acima de tudo não é um castigo de Deus, é fruto das nossas ações irresponsáveis, porque muitas vezes não respeitamos a natureza, achamos que podemos fazer tudo, e acabamos até destruindo a natureza. Por isso, a palavra de Deus, mais uma vez, nos apela à liberdade, para que nós possamos, verdadeiramente, ser construtores de um mundo novo e também preservar o nosso planeta, para as gerações futuras, aqueles que virão depois de nós.”. “… São Paulo também fala, “a criação, espera, ansiosamente, o momento da revelação dos filhos de Deus e, como que em dores de parto, aguarda essa adoção filial, a libertação do nosso corpo. Que nós então peçamos ao senhor que sejamos um bom terreno, responsáveis, no cuidado dessa casa comum do nosso planeta. Que não sejamos destruidores, mas saibamos preservar, em vista das gerações futuras, e desta forma, estejamos produzindo os frutos que Deus espera de nós, para podermos, verdadeiramente, produzir os frutos e assim, viver e construir um mundo novo. Peçamos a Nossa Senhora da Rosa Mística, Padroeira desta comunidade, cuja festa será celebrada amanhã, que ela também, junto a Jesus, interceda por todos nós, para que possamos aprender dela, a fazer a vontade de Deus e a produzir todos os frutos que Deus espera, do nosso coração, amém” , enfatizou o Arcebispo, na conclusão da homilia, sugerindo que todos nós reflitamos sobre o que estamos fazendo para um mundo melhor. Ao final da Santa Missa, o Arcebispo abençoou os presentes e os que acompanhavam de casa, pelas Redes Sociais e pela Rádio Anunciadora. A cada domingo, Dom José Francisco irá celebrar de uma comunidade da Arquidiocese de Niterói. Fique atento ao site e redes sociais, para saber onde será a próxima Missa Dominical, com o Arcebispo. Reveja a celebração do 15º Domingo Comum, em Full HD aqui: Por João Dias Fotos: Adigar José

O post Sejamos “construtores de um mundo novo”, diz Dom José apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Leia Mais »

Os Seminaristas e a ordenação diaconal, em tempos de Covid-19

Recentemente, um estudo da CNBB apontou, em e-mail encaminhado às assessorias de imprensa das Arquidioceses e dioceses do Brasil, que “o primeiro semestre deste ano de 2020 nos ofereceu um novo desafio: a Pandemia da COVID-19. Podemos dizer que a pandemia está nos fazendo pensar e repensar muitas realidades e, dentre elas, a formação dos futuros padres da Igreja Católica”. No e-mail, a assessoria de imprensa do Regional Leste 1, da CNBB, indica o artigo da psicóloga Dra. Luciana Campos e do Padre Douglas Alves Fontes, Reitor do Seminário São José da Arquidiocese de Niterói. O artigo, em suas 10 páginas, apresenta respostas a 4 questões referentes à formação dos futuros sacerdotes. “Neste artigo, recolhemos as respostas que recebemos na pesquisa e nos propomos a refletir sobre a missão formativa em tempos de pandemia. Veremos os desafios da continuidade da formação sacerdotal, em tempos desafiadores para todos. O artigo se apresenta como uma síntese do que refletimos e uma antessala do que queremos refletir”, explica a Dra. Luciana. E como estão os que iriam ser ordenados? Como tem sido esse período de isolamento e sua formação? Algumas dessas indagações serão respondidas pelos seminaristas Alex Abreu, Ricardo Mariano, João Paulo Machado, Thiago Cruz e Júlio Bastos. Seminarista João Paulo Machado Acredito que o lema de uma ordenação seja mais do que um slogan, mas seja de fato uma palavra de Deus, para poder nortear nossa vida e o nosso futuro Ministério. Neste sentido, o lema que Deus colocou em meu coração para a ordenação diaconal é João, 2,5, quando diz: “Fazei tudo o que Ele vos disser”. Neste tempo de pandemia, posso dizer que estou sendo obediente à voz do Mestre, o qual tem nos orientado e pedido para aguardar o tempo em que este dia vai acontecer. Claro que estava aguardando o dia 18 de abril, quando recebemos a notícia de Dom José, de que seria preciso nremarcar, cancelar. Nós entendemos, como vontade de Deus, e posso dizer que nesse período de pandemia, três realidades foram vividas: a primeira, a do temor, você não saber quando se daria, pois a expectativa já estava em nosso coração, de viver a celebração; o segundo foi também a vivência familiar, e eu pude ver uma vocação que alcança também os seus. Então, estar um tempo em casa, com a minha família, e rezar com eles, foi bonito ver sinais desta vocação já alcançando também a minha casa. E logo, agora aguardando então a ordenação, tudo será diferente, pois a experiência vivida durante essa pandemia, com certeza, fará da ordenação, um ato muito mais profundo, pois também foi um tempo em que eu pude trabalhar algumas realidades, pude enxergar outras, e pude olhar pra mim com mais verdade, vendo, de fato, que quem conduz toda nossa vida é Deus. Existe uma frase de Santa Teresa de Ávila, que também resume muito: “É justo que muito custe o que muito vale.” E neste sentido, eu entendo, a espera, a demora,o tempo, porque eu tenho certeza de que diante de Deus e dos homens, uma consagração total a Deus é algo que vale muito, e é por isso que custa, é por isso que tem nos custado. Então, eis-me à disposição do Senhor, para quando Ele quiser que a ordenação diaconal aconteça, eis-me aqui à disposição, na certeza de que Deus irá me surpreender. Pois não sabemos nem o dia e nem a hora, mas sabemos que acontecerá. Então, basta estar preparado, a cada dia, para quando essa data chegar, para quando essa notícia vier, possa eu continuar com meu coração desejoso de ser consagrado ao Senhor. E como também disse um padre amigo, é tempo de deixar a brasa do coração mais forte, para que quando o grão de incenso cair nesta brasa, possa exalar um perfume que seja agradável ao Senhor. Seminarista Ricardo Mariano Com o início da atual pandemia, eu comecei a cogitar da possibilidade da ordenação diaconal ser acometida. E quando D. José Francisco, nosso Arcebispo, avisou-me do adiamento da ordenação, eu partilhava com ele, e meu coração estava em paz, como continua até hoje, e renovava a minha disposição ao serviço da Igreja, em espírito de obediência. Nós, seminaristas, que seremos ordenados diáconos, estamos em uma situação de “já e ainda não”, contudo experimento em minha vida as palavras de S. Paulo: “Sede alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração”(Rm 12, 12). Seminarista Júlio César O inesperado acontecimento da pandemia, causada pelo novo coronavírus, quebrou todos os nossos esquemas, inclusive toda nossa organização e expectativa para a ordenação diaconal, no dia 17 de abril. Este tempo de espera tem sido, justamente, um tempo de experimentar a paciência e a vontade de Deus! Uma espera no Senhor, como bem expressou o salmista: “Esperando, esperei no Senhor”… na certeza de que Ele é fiel e a vontade d’Ele há de se manifestar através da confirmação da Igreja! Por isso, meu coração anseia e aguarda com muita expectativa esse novo e bendito dia em que Nosso Senhor, por meio da Santa Igreja, confirmará minha vocação com a ordenação diaconal, afinal, esse foi o lema que escolhi para meu futuro ministério, e em vista do qual tenho vivido este tempo: “Eis que venho fazer com prazer a vossa vontade, Senhor”(Sl 39, 9). Seminarista Tiago Cruz Iniciamos este ano com os preparativos para a ordenação e, logo no início, ouvíamos os noticiários sobre a epidemia, no exterior. Quem imaginaria as proporções que tal situação alcançaria? Asssim que surgiram casos de contágio no Brasil, já suspeitava da possibilidade de que a ordenação fosse afetada. E, de fato, quando o bom senso acolheu a gravidade da situação da pandemia, foi normal a preocupação quanto às medidas que evitassem o contágio, e o bem estar de todos passou a ser a preocupação principal. Como uma ordenação concentra um grande número de pessoas, a situação de pandemia dificultava a realização da mesma, do modo como sempre se realizou, com a participação de nossa gente, que nos acompanhou […]

O post Os Seminaristas e a ordenação diaconal, em tempos de Covid-19 apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Leia Mais »

Bruno Malaquias encerrar projeto “LIVE SHOW FICA EM CASA”

Hoje, 10 de julho, às 20h, encerrando o projeto “LIVE SHOW FIQUE EM CASA” teremos a apresentação do cantor Bruno Malaquias, o projeto que nesses quatro meses alegrou e distraiu o isolamento social. O projeto do Setor de Comunicação (SECOM), teve o apoio e autorização do Arcebispo Metropolitano de Niterói, Dom José Francisco, e em todas as sextas, uma nova atração se apresentou. Bruno Malaquias irá se apresentar e as Redes Sociais da Arquidiocese e Rádio Anunciadora transmitem. Os telespectadores poderão enviar seus comentários, que serão colocados ao longo da apresentação. Em tempos de quarentena, buscar maneiras de passar o tempo em casa é tarefa recorrente de todos. Neste cenário, uma forma de entretenimento vem fazendo sucesso na internet: as lives. No domingo, 12 de julho, Dom José Francisco, Arcebispo de Niterói, celebra a Santa Missa, às 9h, da Capela Nossa Senhora Rosa Mística em São Gonçalo. Hoje, 10 de julho, às 20h, acompanhe a apresentação de Bruno Malaquias. Prepare a TV ou o computador e divirta-se! Por João Dias Arte: Thiago Maia

O post Bruno Malaquias encerrar projeto “LIVE SHOW FICA EM CASA” apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Leia Mais »

Católico