Niterói

CONVERSA ENTRE FIÉIS – Missão: caminhar ao encontro do outro

Sempre fico pensando, quando chegamos ao mês de outubro, que a reflexão em torno das missões precisa ser aprofundada entre nós. Não que não se fale, não que não se saiba do que se trata, mas é muito comum que encontremos visões no mínimo “românticas” sobre o que é ser missionário, visões que acabam por deixar a missão como responsabilidade de alguns, e “mais bonita” quando em terras mais distantes. Quanto mais distantes melhor!

Ninguém que está na Igreja, que é Igreja, ignora o mandato de Cristo (Mc 16, 15): “Ide por todo o mundo”… E é evidente que temos que chegar em todos os cantos, porque há muita gente, mas muita mesmo, que nem ouviu falar de Jesus! Só que temos um grande problema: entendemos isto, no entanto não percebemos que há muitos à nossa volta que não o conhecem! Sabem o nome, talvez… Mas isto não é conhecer alguém, é?

Há quem ache que porque viu alguém uma vez na vida já é superamigo. Todos conhecemos alguém assim. Só que sabemos que isto é pura ilusão, ou até estratégia, de quem quer dizer que é “influente”… Alguns acreditam. Pode ser. Mas sabemos que são apenas “fogos de artifício”, ou não?

Pois bem, isto tudo é para dizer: a missão começa na nossa realidade, nas nossas casas! E me lembro do alerta da agora santa Madre Teresa… Ela dizia que se queremos ter um mundo melhor, se queremos que os valores do Evangelho estejam efetivamente presentes, precisamos ir para casa e amar nossas famílias! É assim que poderemos transformar o mundo.

Assim é. A missão se inicia na nossa Igreja Doméstica, construindo cristãos de verdade e garantindo que o encontro com o outro, respeitando as diferenças, aconteça.

Mas não pensem que estou me esquecendo da missão que “ultrapassa muros”. Claro que não! Ela é, sempre será fundamental. Só que só acontece se antes aprendemos a reconhecer o outro que convive conosco. Fazendo isso, nos preparamos para ir além, para sermos capazes do diálogo, e com as culturas mais diversas.

Rezemos pelos missionários. Rezemos por esses homens e mulheres que largaram tudo para ir ao encontro daquele mais pobre, mais carente de tudo. Mas rezemos também para que nós aprendamos a ser missionários. Que aprendamos a dialogar e a ser desprendidos, porque assim se inicia a missão. A origem do missionário é em casa.

Que nossas casas sejam ponto de partida para a missão. A primeira resposta ao mandato do Senhor para irmos a todo o mundo. Ou corremos o risco de ir aos confins do mundo e nos esquecermos de apresentar Cristo aos nossos maridos, esposas, filhos…

Por Padre Carmine PascalePe Carmine Pascale

Católico