Niterói

CONVERSA ENTRE FIÉIS – Precursores do século XXI

são joão batistaNão por acaso a nossa Arquidiocese tem como padroeiro São João Batista, o Precursor. E neste mês de junho nos lembraremos de seu nascimento – algo que não é comum, pois, normalmente, ao celebrarmos os santos, nós o fazemos no dia de sua passagem ao Céu, dia do encontro definitivo do filho que desejou o Pai e viveu com fidelidade e ardoroso amor… Mas com o Batista é diferente, porque o próprio Cristo o anunciou como o maior dos profetas, e, sabemos, ele já antes do nascimento apontava o Messias e o anunciava à humanidade… Por isso, neste mês, quis refletir com vocês um pouco sobre ele, que acaba muitas vezes esquecido diante das tantas solenidades importantes que vivemos nesta época.

São João Batista precisa ser exemplo forte para todos nós; e tornar esta constatação realidade é urgente. Ninguém ignora que estamos vivendo uma época muito difícil, no país e no mundo todo. Guerras e consumismo, transformação do homem em objeto, crises da ética, distorções morais que assumem feições jamais imaginadas, em um contexto que clama por Deus, mas que ao mesmo tempo O rejeita. Assim, se há alguém que pode nos ajudar a combater tudo isso é o Batista, arauto do Evangelho, aquele capaz de nos ensinar a “preparar os caminhos do Senhor”.

Já o Papa Francisco nos falava em 2013 sobre isso. Naquela ocasião, lembrava a todos que este, “preparar”, era o primeiro traço de sua vocação, porque soube ser referência para quem com ele se encontrasse – uma referência que se “apagava”, pois não anunciava a si mesmo, mas a Cristo, a quem ele próprio havia reconhecido como o Senhor. Desta forma, continuava o Santo Padre, São João Batista apresentava uma outra característica de sua vocação: ele sabia discernir, como todos nós precisamos saber. Separar o bem do mal, saber por onde seguir para viver cada vez mais segundo a Palavra do Senhor e na especificidade de nossas vocações – eu, como parte do clero, junto com meus irmãos, cada um de vocês como leigos, casados ou não; ou, quem sabe, como consagrados, em cada realidade que vivam! Precisamos assumir as nossas responsabilidades aí, no lugar em que Deus nos colocou! E andar com coerência, porque não pode haver um cristão, de fato, que ande de outra maneira. Dizer-se cristão e agir contra a Palavra, contra a Igreja, não é nem nunca será ser cristão! Mas se somos cristãos conforme o Coração de Deus, e este mês começa, de imediato, louvando o Sagrado Coração de Jesus; se somos cristãos assim, seremos também sinalizadores de sua presença no mundo. Sempre.

É então que vem a terceira lição deixada por Francisco: a humildade de São João Batista. A lição do aniquilar-se, do diminuir para que Cristo cresça! E este deve ser o nosso maior desejo! Desta forma, quem nos olhar não deverá nos ver, mas a Cristo! Deveremos ser, verdadeiramente, a Sua imagem. Deveremos fazer de nossos rostos o Seu rosto, em meio às situações diversas que vivermos, porque só assim elas poderão ser melhores, só assim as realidades se transformarão. Só assim viveremos a fraternidade, a unidade, a comunhão, a partilha. Só assim a dignidade humana não será aviltada. Só assim a família será compreendida, preservada, construída, como Igreja Doméstica; e as realidades poderão estar livres da ganância, da sede de poder, da violência, do egoísmo, da corrupção. O bem comum será o desejo. O amor, assim, terá vencido.

Que neste mês possamos refletir sobre as lições deixadas por nosso padroeiro, para que nossas vidas e as daqueles que nos rodeiam possam fazer sentido. Que Niterói seja melhor, sabendo seguir o exemplo de tão importante padroeiro, que mereceu ser o primeiro anunciador do Senhor, ainda no ventre de sua mãe Isabel.Pe Carmine Pascale

Sejamos, nós, os precursores em nossas famílias, em nossa cidade, em nosso Brasil. Isto é transformar o mundo: ser fiel ao Senhor, fazendo a diferença, sem respeitos humanos, mas com respeito a Ele, a ser anunciado com nossa própria vida!

Por Padre Carmine Pascale

Católico